30316060

Congelamento social de óvulos: entenda o que é e por que vem ganhando adeptas

As mulheres da atualidade estão engravidando cada vez mais tarde. Afinal, seja solteira ou casada, elas estão crescendo profissionalmente, buscam por estabilidade financeira, desejam viajar e avançar nos estudos.

Sendo assim, é natural que muitas optem por engravidar após concretizar seus objetivos ou encontrarem um parceiro ideal. No entanto, sabe-se que do ponto de vista biológico existe uma idade certa para ser mãe. É por esse motivo que muitas têm optado pelo congelamento de óvulos. Essa técnica pode ajudar as mulheres a terem filhos saudáveis mais tarde, aumentando a chance de engravidar.

Preparamos este artigo para que você entenda o que é o congelamento social de óvulos e como ele é feito, além de outras informações importantes. Confira!

O que é o congelamento social de óvulos?

O congelamento de óvulos é um processo que preserva a fertilidade da mulher. Isso acontece porque a temperatura muito baixa (a -196ºC) faz com que os processos metabólicos não aconteçam, mantendo o óvulo viável por vários anos, para posteriormente ser descongelado.

Idades acima de 35 anos são consideradas um fator de risco para fertilidade. Isso acontece porque a fertilidade da mulher decai com a idade, visto que o número de óvulos diminui, assim como sua qualidade. Quanto mais avançada é a idade materna, maior é a chance de o bebê nascer com alguma síndrome ou má formação.

Para tentar amenizar o efeito do envelhecimento pode-se congelar os óvulos. Dessa forma, a mulher que deseja ter filhos mais tarde retira alguns óvulos mais jovem (preferencialmente antes dos 35 anos) para que mais tarde eles possam ser usados em um processo de fertilização in vitro. Isso é interessante porque o óvulo manterá as suas características, mesmo que depois seja usado em uma gestação em idade mais avançada.

É interessante salientar que quanto mais cedo o congelamento for feito maiores são as chances de engravidar e ter um filho saudável. Sendo assim, a mulher de 25 anos que pensa em engravidar somente depois de 10 anos já pode realizar o procedimento. Afinal, mesmo que o óvulo seja descongelado após esse período, a chance de engravidar permanece semelhante à de uma mulher de 25 anos.

O congelamento social de óvulos é uma ótima alternativa, mas não é garantia de uma gestação futura. O mesmo é válido para qualquer outras técnicas de reprodução assistida.

Como é feito o congelamento?

A primeira etapa consiste em verificar a saúde da mulher. Assim, são feitos exames de rotina, como exames de sangue, ultrassom e dosagem de hormônios. Um dos objetivos é avaliar a reserva ovariana da paciente para saber quais as chances de sucesso em uma fertilização in vitro, o procedimento em que os óvulos congelados serão usados.

Depois é feito um tratamento hormonal para induzir uma ovulação com um número maior de óvulos. Isso é importante porque durante o ciclo a mulher libera, normalmente, somente um óvulo. Nesse caso, é interessante que vários óvulos sejam congelados para aumentar as chances futuras de uma gravidez.

Em seguida, será feita a coleta dos óvulos no ovário, o que acontece sob sedação e por meio de uma fina agulha acoplada a um aparelho de ultrassom via transvaginal. Os gametas são aspirados e congelados com nitrogênio líquido, a -196ºC, envoltos em uma substância crioprotetora para evitar a formação de cristais de gelo. Essa técnica é conhecida como vitrificação.

O que acontece quando a mulher decide engravidar?

Quando a mulher desejar engravidar, os óvulos serão descongelados. Atualmente a taxa de sobrevivência dos gametas a esse processo é de cerca de 95%. No laboratório, os óvulos serão fecundados pelo espermatozoide do parceiro ou do doador, o que formará um embrião. O embrião viável — ou embriões viáveis — é transferido para o útero da paciente, a fim de completar o seu desenvolvimento.

Quando ele é recomendado?

O congelamento social é recomendado a qualquer momento para mulheres que desejam postergar sua gestação, independentemente da sua idade ou motivo. Antes dos 35 anos, as chances de engravidar são maiores, assim como a qualidade dos óvulos é melhor. Por isso, é recomendado que a mulher congele os óvulos antes dessa idade para que eles sejam usados anos mais tarde.

Isso não significa que mulheres com mais de 35 anos não possam congelar seus óvulos. Mas é preciso discutir com o médico assistente as reais chances de sucesso e outras alternativas de tratamento. Se a mulher congela os óvulos aos 30 anos, quando há grande chance de ficar grávida, e os descongela aos 40 para tentar engravidar, a chance de desenvolver uma gestação permanece a mesma que ela tinha aos 30 anos. Aos 30 anos, por exemplo, essa chance é de cerca de 70% por técnicas de reprodução assistida, enquanto o índice de sucesso cai para 20% aos 40.

Congelar os óvulos também é uma alternativa para mulheres com doenças ovarianas com necessidade de retirada cirúrgica ou quimioterapia/radioterapia. Isso porque é necessário ter os ovários para produzir os gametas e eles podem ser afetados negativamente pelos tratamentos de algumas doenças, como o câncer.

E então, entendeu o que é e como é feito o congelamento social de óvulos? Compartilhe este post em suas redes sociais e leve as informações para outras pessoas!

Revisado por Dr. Evangelista Torquato (CRM-CE 5688 | RQE 6858) e Dra Raquel Mattos (CRM-CE 14268 | RQE 8013).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Gostou do nosso site? Acompanhe as nossas redes sociais:

WhatsApp chat